O fenômeno Pokémon Go não deixou de fora o mundo do turismo. Já podemos observar uma mudança no comportamento das pessoas, nos serviços das agências de viagens, dos hotéis e restaurantes. Apesar de gerar diferentes opiniões e polêmicas, as empresas do mercado de viagens precisam aprender sobre o jogo para poder atender às necessidades dos viajantes.

O que é Pokémon Go?

Pokémon GO é um jogo de realidade aumentada desenvolvido pela Nintendo em parceria com a Niantic, desenvolvido para smartphones com iOS e Android. Lançado oficialmente no Brasil em agosto de 2016, na App Store e Google Play Store, o jogo utiliza dados de localização a partir de um sistema de GPS para introduzir os Pokémons no mundo real, e leva os usuários a destinos em que eles possam caçar os personagens.

Como o Pokémon Go afeta o mundo do turismo?

As próprias características do jogo e dos seus usuários são responsáveis por levar as pessoas para as ruas, abrindo a possibilidade de conhecer lugares, pontos turísticos, e a criar roteiros de viagem. Os jogadores são curiosos e sentem a necessidade de caçar personagens virtuais em qualquer local que eles estejam.

 A funcionalidade chamada de “pokéstops” (lugares onde é possível resgatar pokébolas, ovos de pokémon, moedas e outros artefatos do jogo) indica fotos e lugares para visitar, o que aumenta consideravelmente o turismo no local. Outro fato influente é que as pessoas acabam se tornando turistas em sua própria cidade, pois durante as buscas eles exploram parques, ruas e atrações turísticas. Há quem defenda que o jogo faz os caçadores olharem para as cidades de uma forma mais atentas aos detalhes.

 Além disso, as missões (desafios lançados pelo jogo que envolve a vida real, como por exemplo, andar 100 quilômetros, ir até um determinado lugar, correr a uma determinada velocidade, achar um pokéstop específico) fazem com que os jogadores se locomovam muito, e consequentemente, viajem para novos lugares.

Novidades de serviços que surgiram para suas viagens

Na Europa, há redes de hotéis que já oferecem um conciérge (profissional responsável por atender as necessidades dos hóspedes) especializado em indicar onde estão os pokémons, no hotel e na cidade. Surgiram também taxistas que oferecem serviços de táxi para levar os jogadores em pokéstops e ginásios pelas cidades.

 No sul e sudeste do Brasil existem roteiros especiais para os viajantes caçarem pokémons, alguns são conhecidos como “pokétour”. Muitos anúncios são encontrados na rede social Facebook.

Pontos turísticos famosos entraram na brincadeira e começaram a divulgar nas redes sociais imagens e vídeos com personagens do jogo para atrair turistas.

Para você que é um mestre pokémon e viajante, tenha cuidados na sua jornada:

Atenção nas ruas e estradas para não ser atropelado ou atropelar alguém. Ficar procurando os personagens sem tirar os olhos da tela do celular pode provocar graves acidentes. E também aumenta o risco de assalto. Existem relatos de ladrões que ficam esperando em pokéstops.

Não invada qualquer lugar. O jogo pode indicar um pokémon raro ou um que você está desejando muito em lugares como hospitais, casas e delegacias, mas ao invadir esses lugares você pode infringir uma lei e demonstrar falta de respeito com a sociedade.

Prepare-se para conhecer os novos viajantes que surgiram após o jogo. E se você for um mestre Pokémon: alugue já sua mala, compre seus acessórios e comece a sua jornada!